sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

Reencarnação, parte 1

Refletindo sobre tudo dito anteriormente no último encontro, Danilo separa algumas perguntas para seu mestre. Ele havia explicado sobre os tipos de almas que estão encarnadas neste plano. Quais tipos eram, quais seus propósitos etc.
Danilo ainda tinha algumas dúvidas sobre a grandiosa estrutura explicada por ALDBN e seu funcionamento lógico e amoroso. Duas noites depois do último encontro Danilo coloca-se a deitar e desperta dentro da caverna.
Desta vez se vê na entrada da caverna e não dentro dela. Ele estranha, pois antes ele parecia ter sido levado diretamente ao seu mestre, no interior da caverna. Danilo começa a adentrar ao recinto. Enquanto caminha ele nota uma grande fonte de luz à frente. Aquilo era inédito para ele, mas não assustador.
Ao se aproximar da fonte de luz ele sente um incômodo, não ruim, mas aquela luz parecia um escudo e Danilo não consegue continuar. Ele para por um tempo pensativo quando a luz parece se recolher.
No fundo da caverna, como fonte da grande luz, ele vê ALDBN e a chama se recolhendo em seu corpo. Ela diminui quase que se apagando em torno de sua áurea, permitindo assim que Danilo continuasse a se aproximar. Danilo sente uma ótima sensação e já tem uma nova pergunta para o próximo encontro.
Ao se aproximar ele nota seres elementais saindo, brincando e pulando, como das primeiras visitas, ele sorri para os seres que deferem um leve e humilde olhar a Danilo e se retiram do local. ALDBN pede que Danilo se aproxime e começa: "Olá meu irmão, sua rede agora tem menos furos?" Danilo, tenta entender a pergunta lembrando-se de suas reflexões sobre a última lição e antes de falar o mestre continua: "Espero que os momentos de reflexão lhe tenham sido úteis. Mas pergunte meu caro irmão!"
E Danilo pergunta: "Mestre, no último encontro falou sobre a roda da vida, ciclos etc. Algumas religiões do meu plano acreditam que para consertar certas coisas, erros, vícios, tendências e outros é necessário retornar à vida. Gostaria de saber mais sobre isso e até mesmo se de fato ocorre."
E ALDBN responde: "Ah sim, o retorno! Pois bem, espero que tenha entendido bem minhas palavras do último encontro. Pois para determinas situações isto é algo inevitável, para outras é uma obrigação e alguns uma opção. Na verdade a maioria dos seres alcança uma incrível evolução por meio da dor. Isto infelizmente é verdade para vocês.
"Mas é algo quase que intrínseco para qualquer fluxo de vida já individual que começa sua jornada. É uma das primeiras, mais aplicáveis e eficazes maneiras de aprendizado. Para os seres que em seu plano é preciso estar dos dois lados para aprender o que eles têm e não tem de bom a ensinar isso se tornou uma passagem certa."
"Determinadas coisas não podem ser explicadas, devem ser sentidas. E isso funciona para muitos, em diferentes situações. Você não aprende o quanto precisa de algo até realmente precisar. Você não aprende o quanto algo dói até sentir dor. Com isto surgem infinitas, curiosas e maravilhosas situações que se corrigem por si próprias em uma ou mais vidas."
"Podes saber meu caro irmão que muitos escolhem uma vida de sofrimento em seu plano a que continuar na situação que se encontram nos planos que estão. Muitas vezes elas imploram pela chance de retorno para crescerem e quando estão em seu plano, contraditoriamente, lamentam sua situação. É algo bem curioso, mas eficaz, tudo gerado pelo véu do esquecimento." Explica o mestre sorrindo discretamente.
"Não tente compreender todos os planos tomando como base o seu. A referência não pode ser esta. Imagine todo o processo como um grande veículo o qual você pode se perder em idéias, pensamentos ou desejos e alterá-lo a qualquer momento. A realidade não está sujeita a limites. Algo que não se pode ver, tocar ou ouvir não quer dizer que não exista."
"Alguns planos, muitas vezes, possuem grande semelhança entre si. Não imagine que todos sairão do seu diretamente para um paraíso e nada nunca mais precisará ser feito. Você aprende com o tempo que a evolução dos demais é importante para a sua e vice-versa. Você evolui a certo ponto de muitas vezes se sacrificar em prol de alguém que precisa. Hoje existem enormes legiões de auxiliadores ajudando a escola Terra das mais variadas e diferentes maneiras possíveis. São auxiliadores de grande luz que trocaram sua evolução por ajudar seus irmãos e, com isso, trabalham, lamentam e até se animam para diminuir o sofrimento de seus alheios. Este é somente um exemplo dentre muitos que eu posso lhe citar, mas não precisarei ir tão longe quanto você quer agora. Você, como grande maioria, voltará a ver por si próprio, independente de fé, crença, vontade ou esforço."

Um comentário:

Carlos disse...

A dor realmente é capaz de fazer as pessoas aprenderem. Pena que muitas vezes isso só acontece em momentos extremos. Abraço.